INDÚSTRIA 4.0: AUTOMAÇÃO E POTENCIAL DE SUBSTITUIÇÃO DE MÃO-DE OBRA HUMANA

INTRODUÇÃO
A indústria 4.0 é um conceito de indústria proposto recentemente e que engloba as principais inovações tecnológicas dos campos de automação, controle e tecnologia da informação, aplicadas aos processos de manufatura. A partir de Sistemas CyberFísicos, Internet das Coisas e Internet dos Serviços, os processos de produção tendem a se tornar cada vez mais eficientes, autônomos e customizáveis. (SILVEIRA, 2016). A indústria está em transformação a uma velocidade nunca antes vista, impulsionada pelo desenvolvimento e utilização de tecnologias facilitadoras, cada vez mais evoluídas e ágeis. (COELHO, 2016). Com os avanços da tecnologia, a ascensão das máquinas nas empresas aumentará o desemprego, com isso, fará que os profissionais se qualifiquem, agregando assim mais valor no mercado de trabalho e para garantir que não percam seu emprego por um robô. A tecnologia digital muda o mundo para melhor. Especialmente na ampla categoria de consumo – consumo de bens, arte, entretenimento ou ideias – a tecnologia digital oferece escolhas sem precedentes. E, embora o efeito da tecnologia digital seja altamente benéfico. Todas as revoluções industriais acarretaram acentuado aumento da produtividade do trabalho e, em consequência, causaram desemprego tecnológico. Os deslocamentos foram grandes, milhões de trabalhadores perderam suas qualificações à medida que máquinas e aparelhos permitiram obter, com menores custos, os resultados produtivos que antes exigiam a intervenção direta da mão humana. (SINGER, 1999. p. 16). Para RUSSWURM (2014. Pg 1), as empresas devem aumentar constantemente a sua produtividade e flexibilidade e comercializar novos e mais produtos individuais com níveis mais altos de desempenho e eficiência. Houve advertências periódicas nos últimos dois séculos de que a automação e a nova tecnologia acabariam com um grande número de empregos de classe média. Em particular, o surgimento de um poder de computação muito melhorado, inteligência artificial (IA) e robótica aumenta a possibilidade de substituir o trabalho em uma escala não observada anteriormente. Quanto mais repetitivo, menos criativo ou piores condições de trabalho, maiores as chances desses postos serem automatizados. Os trabalhos que dependem de interação com as pessoas e criatividade como: programadores e comunicadores, dificilmente vão sumir tão cedo. A automação, de fato, substitui o trabalho – como é tipicamente pretendido fazer. No entanto, a automação também complementa a mão de obra. (DAVID, 2016). O maior desafio como as novas tecnologias emergem são os tipos de empregos criados e o que esses empregos pagam – não o número de empregos em si. Embora a automação possa não ser o inimigo do emprego, ela pode representar um grande desafio para a distribuição de renda. Toda vez que a tecnologia substitui o trabalho humano, é encontrar outras ocupações. Atualmente robôs e programas estão tornando algumas profissões obsoletas.

AUTORES:
Rafael da Silva Campos
Daniel da Silva Campos
Paulo Roberto de Azevedo Souza
João Paulo Silva Souza